Sobre o CEMO

 

 

O Centro de Estudos Moçambicanos e Internacionais (CEMO) é uma entidade constituída na forma de Associação Civil, sem fins lucrativos que promove a análise, debate de estratégias de políticas públicas e partilha de conhecimento nos domínios científico-tecnológico, político, económico e sócio cultural. O CEMO é uma entidade legal à luz do direito moçambicano, com estatutos aprovados pelo despacho do Ministério da Justiça, em Março de 2008 e publicados no Boletim da República (BR) número 38, III Série, de 19 de Setembro de 2008 .

O CEMO é constituído por professores universitários, académicos, pesquisadores, jornalistas, analistas políticos, entidades público-privadas e estudantes universitários, cujos valores assentam na primazia da valorização da experiência local de produção de conhecimento científico partilhado internacionalmente. Os membros do CEMO reconhecem a relevância de análise da situação dos processos de mudança e transformação social, numa dimensão holística, englobando os contextos nacionais e internacionais bem como a urgente necessidade de criar na sociedade uma nova forma de pensar e encarar os desafios do Século XXI, a partir de políticas públicas, assuntos políticos, económicos, sócio-culturais e outros.

Dentro deste espírito, o CEMO entende que o aprofundamento das políticas nacionais, a melhoria da actividade e dos processos governativos, em qualquer canto do mundo não deve estar unicamente reservado às instituições públicas. Vários actores extra-estatais são cada vez mais convidados a darem seu contributo para a melhoria do desempenho dos sistemas políticos. O CEMO foi criado no quadro deste espírito e constitui um valor acrescentado ao sistema político nacional tendo como fim último a construção holística do processo de governação, reforço da democratização, participação e melhoria da actividade governativa. Como mencionamos anteriormente, o CEMO é uma pessoa colectiva, de direito privado, sem fins lucrativos, não partidária, independente, dotada de personalidade jurídica, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial regendo-se por estatutos próprios e pela demais legislação em vigor.

 

Objectivos

O objectivo geral do CEMO é o de contribuir para melhoria da actividade governativa, da participação e do reforço da responsabilização e prestação de constas, através de resultados de pesquisas aplicadas. No âmbito dos seus objectivos, o CEMO procura alargar o espaço de debates de ideias sobre questões sociais, económicas e políticas da arena nacional e internacional, através de lobby e advocacia procura identificar boas práticas, influenciar positivamente o comportamento das instituições públicas no sentido de reforçar o processo de responsabilização e transparência das políticas públicas nacionais.

 

Visão

A visão do CEMO é tornar-se uma instituição independente de investigação científica em Moçambique, desenvolvendo estudos nacionais e internacionais sobre o contexto nacional e a geopolítica e economia do pós-guerra civil sem contudo descurar os assuntos regionais e do mundo.

 

Missão

A missão do CEMO é oferecer inputs que contribuam para o reforço das instituições através da melhoria da acção e do processo governativo e do desenvolvimento social e económico do País. Para tal, o CEMO predispõe-se a utilizar de forma eficiente os recursos humanos, financeiros e patrimoniais ao seu dispor, estabelecer e reforçar parcerias com instituições congéneres para troca de experiências, baseando as suas acções nos seguintes valores:

a) valorização da actividade intelectual e científica;

b) rigor, verticalidade e independência no processo de produção de conhecimento científico;

c) inter e multidisciplinaridade nos estudos e pesquisas;

d) sistemática problematização dos fenómenos sociais, políticos e económicos;

e) permanente procura de solução para os fenómenos ou problemas políticos, sociais e económicos;

f) abertura, transparência e partilha de informação.

 

Porque somos diferentes?

Não somos mais uma organização. Somos sim uma organização cuja intervenção aposta para a melhoria da qualidade governativa reforçando os mecanismos de prestação de contas e responsabilização pública. Esta aposta tem como fim último assegurar uma justa distribuição de bens e serviços, promovendo assim o desenvolvimento e crescimento económicos. A nossa metodologia de intervenção está mais orientada para pesquisa de fenómenos políticos, sociais e económicos, lobby e advocacia, articulação entre as dinâmicas dos processos locais com as políticas e plataformas centrais. Apostamos pela independência, neutralidade, abertura e inclusão. No contexto moçambicano somos diferentes pelas seguintes razões:

Primeiro, somos diferentes porque procuramos estabelecer uma articulação entre os processos políticos a nível local com as políticas públicas a nível central. Através desta, procuramos ver e discutir a articulação da gestão pública a nível dos distritos municípios e sua congruência com as políticas (PARPA, Agenda 2025, Estratégia Global de Reforma do Sector Público e outras) e os processos (revisão conjunta, avaliações periódicas). Indicando oportunidades, desafios e riscos, formulamos publicamente recomendações para melhoramento de certos comportamentos, práticas e políticas.

Segundo, somos um grupo de académicos e intelectuais com elevada capacidade de análise, advocacia e lobby. Estamos preparados para intervir e contribuir para a melhoria da actividade governativa e aumentarmos o nível de desenvolvimento do país. Dai se vê que a nossa intervenção estabelece uma articulação entre boa governação e o desenvolvimento. Para o CEMO não é possível apensar no desenvolvimento sem o reforço das instituições, da democracia, da transparência e da acção governativa. Os vários espaços de diálogo que criamos nos últimos anos envolvendo actores nacionais e internacionais possibilitaram e reforçaram a nossa capacidade de lobby e advocacia no sistema político nacional e internacional. Por isto, somos diferentes das outras organizações congéneres.   

Terceiro, também somos diferentes por sermos uma instituição neutra e independente de qualquer poder, político, económico ou social. O nosso compromisso académico é com a análise crítica e científica dos fenómenos políticos, sociais e económicos. Por isso, apostamos numa abordagem multi e interdisciplinar e que expressamos livremente os nossos ideais. O nosso compromisso institucional é com a boa governação, com a promoção do desenvolvimento e crescimento económicos, e justa e transparente distribuição e gestão dos bens e serviços públicos.

Quarto, fazemos o que falamos. Somos comprometidos com a nossa palavra. Queremos ser o modelo ou o espelho da boa governação reforçando a nossa administração e gestão interna. Sobre este assunto vamos fazer trocas de experiências com instituições congéneres e procuraremos transmitir o nosso exemplo de transparência e gestão institucional.

Quinto, não agimos isoladamente nem em concorrência com as outras organizações congéneres. Queremos estabelecer parcerias com todos os actores, conjugarmos esforços e sinergias, estabelecermos plataformas harmonizadas de intervenção e juntarmo-nos a uma mesma compreensão sobre a capacidade das instituições, a dinâmica, os processos e impacto do seu resultado.